Archive

Archive for fevereiro \24\UTC 2010

Mais uma tirinha.

fevereiro 24, 2010 Deixe um comentário

Mais ócio, mais tédio… mais tirinha =]

Não, sério… enquanto estou a maquinar outro post daqueles bem pesados e metafísicos, mais um pouco de pratica de tradução, e humor sútil pra aliviar as tensões.

xkcdpackages_trad

Devido à falta de espaço em alguns dos quadrinhos de dias, o texto ficou espremido, o ultimo diz “lubrificante” e o do dia 3 diz “Armadilha Para Urso”

~Pedro

“Coffee black and egg white.”

Categorias:Randomness, Tirinhas Tags:,

Video Games: Por que a repulsa?

fevereiro 20, 2010 2 comentários

Depois de um bom tempo sem postar, resolvi postar uma tradução de uma postagem que encontrei no fórum playstation.us, que achei bem interessante. Já sei… Não é a primeira vez que eu bato nessa tecla, e nem será a última. Aí vai:

Então, claro, durante minhas atividades diárias, encontrei outra pessoa que odeia jogos de video games de todas as formas. A litania usual de pseudo-razões: eles desperdiçam tempo, destroem neurônios, fazem crianças gordas, etc…. (devo dizer que, essa pessoa GRAVOU cada episódio de “Survivor” e “American Idol” pra não perder um só momento, – oh, e essa é uma atividade muito enriquecedora para seu cérebro.)
Eu estava ficando cansada dessa pessoa reclamando, então comecei a perguntá-la (sim, era uma mãe) sobre o que especificamente a perturbava sobre o hábito de jogar video games. E então:
Ela não pôde me dizer.
Essa mulher é mãe de um garoto de nove anos, que é bastante apegado a seu Game Boy Advance, um video game portátil (que, tecnicamente, é culpa dela mesma, pois ela comprou o mesmo pra ele, e continua comprando jogos semanalmente).  Eu estava pra pegar algumas coisas emprestadas de sua casa(nota: levar coisas escondido e depois devolver [ou não] é um costume comum nos Estados Unidos), quando eu percebi a caixa do Dinasty Warriors no chão perto do garoto, e comecei a conversar com ele sobre o jogo. Vocês deveriam ter visto SEUS OLHOS, -ele estava chocado pelo fato de que um adulto sabia algo sobre Dinasty Warriors, -e ele, bastante empolgado, começou a contar-me sobre TUDO que ele gostava no jogo. Quando sua mãe nos viu conversando, ela pareceu visivelmente perturbada, mas só estava meio preocupada sobre seus interesses em video games.
Na próxima ve que eu estava por perto (no almoço, dessa vez), a criança, que perguntou se eu queria jogar durante o final da tarde, estava usando o meu laptop, dizendo “Você viu isso??? Os Wei são DEMAIS!” e outras coisas sobre o jogo. Me pareceu que ele realmente ADOROU poder compartilhar seus interesses com um adulto -e isso pareceu incomodar sua mãe ainda mais. Então ela falou sobre ele -sobre como ele estava “sempre na frente do seu estúpido gameboy” e como isso era “tamanho desperdício”. Então foi aí que eu e ela discutimos por causa do já mencionado argumento: Eu simpatizei por esse garoto, pois achava que sua mãe estava sendo repressora. Provavelmente não serei convidado novamente para o almoço. Ah, CERTO. Pobre garoto…..
Agora, o problema poderia ser outro, -talvez a mãe a mãe só não gostava de ser “superada” por outra mulher que obviamente podia conectar-se com seu filho de uma maneira que ela não poderia, -mas isso me fez pensar…
Qual o problema com as pessoas (pais, governantes, ativistas) que odeiam video games? É realmente por causa de “desperdício de cérebro” ou obesidade (nenhum dos dois é correlacionado)? Por que eles odeiam video games em oposição a outras atividades sedentárias, como assistir TV? O que vocês pensam sobre isso?

Não sei muito sobre cultura norte-americana, mas eu acho que isso deve fazer parte do trabalho dessa mulher, visitar casas, ou algo assim. Seja como for, muito legal.
Na minha opinião, boa parte disso talvez se deva ao fato de que video games sejam uma mídia ainda meio nova, pois percebe-se que as pessoas normalmente têm medo de novidades, e dos dias em que vivem em geral (já escrevi sobre isso no meu outro post).

Quando olhamos pra seguinte frase:

Um passatempo de iletrados, deploráves criaturas, embasbacadas por suas vidas diárias, uma máquina de falta de criatividade e dissolução.

Essa frase materializa o que muitas pessoas pensam sobre video games (especialmente no Brasil, em escala bem maior), mas na realidade ela foi dita ha mais de 70 anos pelo escritor francês George Duhamel sobre o cinema. (exemplo retirado de Trigger Happy, de Steven Poole).

Essa que eu traduzi é de 2006, e não sei como andam as coisas por lá agora, em 2010, em relação aos video games. Mas acredito que, assim como aconteceu com a TV, por exemplo, acontecerá com os video games ainda por um bom tempo (talvez bem mais tempo do que aconteceu com a televisão…).

Se quiserem ler o original e suas respostas, aí vai: Board Playstation.us.

…Até mais!

Um passatempo de iletrados, deploráves criaturas, embasbacadas por suas vidas diárias, uma máquina de falta de criatividade e dissolução

E o tempo demora pra passar…

fevereiro 5, 2010 Deixe um comentário

Nessas férias, o tédio é inevitável e agora, com um post bem mais leve do que o último, trago uma tirinha do xkcd que eu traduzi nessa ultima manhã, num momento de tédio.
Deus deve se sentir assim...

Reclamem agora.

“He who tries/Will be wasted.”

O medo do “hoje em dia”

fevereiro 1, 2010 3 comentários

Olá! Mesmo após um bom tempo sem postar por aqui (problemas com equipamentos,e tc), serei breve nesse post.

Não, leitores, não é sobre o medo que as pessoas seriam, supostamente, nos dias de hoje. É justamente o contrário: por que as pessoas sempre pessam que a época em que vivem é a pior de todas? Sim, é isso mesmo. “hoje em dia” sempre foi e talvez sempre será um tipo de bode expiatório para os problemas das pessoas…

Não tenho como provar o que acabei de falar, mas não é preciso observar muito para ver que a maioria das pessoas costumam soltar uma frase parecida com “hoje em dia [alguma coisa ruim]”. Nesse minuto em que estou escrevendo, provavelmente alguém está dizendo “Hoje em dia tá tudo mais violento!” Há 100 anos atrás, muitas pessoas provavelmente  disseram esta frase também. Ela também já pode ter sido dita por contemporâneos de D. Pedro I, por exemplo! O mesmo vale para frases do tipo “Hoje em dia tá tudo muito ruim, acho que o mundo tá perto de se acabar”.

O que eu quero dizer é… Como pessoas de todas as épocas dizem essas coisas, então conclui-se que o problema não está na época, e sim na própria sociedade, atemporal! Bodes expiatórios não ajudam em nada. No máximo servem para transpor a frustração das pessoas e espalhar ainda mais o problema.

A vocês, uma boa época e…

…Até mais!

%d blogueiros gostam disto: